A menina triste da Si-o-Seh Pol por Filipe Morato Gomes

“Com a moeda desvalorizada e uma inflação galopante (alguns preços duplicaram no espaço de um ano), muitas famílias iranianas estão em sérias dificuldade. A crise parece ter chegado ao Irão.

Tenho visto homens a remexer no lixo à procura de comida e mais pedintes que o habitual nas várias cidades por onde tenho passado. Mas foi um encontro com uma criança que mais me marou.

Era noite. Atravessava a ponte Si-o-Seh, em Esfahan, quando me tocaram na perna. Era uma menina de olhar triste, não teria mais que 5 anos, e trazia nas mãos algo para vender. Talvez fossem lenços ou pensos, seguramente algo de pouco valor. Os pais estariam nas proximidades, mas não os consegui ver.

Baixei-me e disse que não suavemente, ela insistiu impávida e serena, pronunciando apenas uma palavra em farsi que não entendi; voltei a dizer que não. Repetimos este diálogo várias vezes, calmamente, como se estivéssemos a testar a paciência um do outro.

Frente a frente, de cócoras para que ficássemos cara a cara e a olhasse sem ser de cima para baixo, só me lembrava da minha filha.

Ela não desistia.

Levantei-me e comecei a caminhar. A menina deu uns passos de petiza e colocou-se de novo à minha frente. Estava decidida. E triste. Fosse um adulto e teria levado um encontrão. Mas era uma menina da idade da minha filha.

De novo me baixei e recomeçamos o diálogo da paciência. Por 3 ou 4 vezes repetimos esta “luta”: ela queria vender, eu queria ajudá-la a simplesmente ser criança.

É um dilema antigo. Tinha vontade de comprar tudo o que a menina trazia na mão para que ela pudesse ir para casa brincar, dormir ou simplesmente sorrir. Mas fazê-lo seria contribuir para que nas próximas noites ela fosse de novo impelida para as ruas pelos seus pais. Por mais contraditório que possa parecer, a melhor forma de a ajudar era não ceder. Não comprar. Para que nas próximas noites pudesse ficar em casa a brincar, a dormir, a ser, enfim, uma menina de 5 anos.

Depois de alguns minutos que pareceram uma eternidade, a menina dirigiu-se por uns segundos a outras pessoas que passaram ao nosso lado. Aproveitei a “distração” e continuei a caminhar. Olhei para trás e “vi” a minha filha a vender lenços ou pensos aos transeuntes da Si-o-Seh Pol.

E não contive uma lágrima de tristeza, de raiva, de desespero.”

Filipe Morato Gomes

 
 

Send a Postcard, Grant a Wish

 

TomBurgett 300x225

 

Este senhor chama-se Tom Burgett, tem 70 anos, e encontra-se fechado em casa pois está na fase final de uma doença pulmonar crónica. O Tom tem medo de se fechar em casa e deixar de conhecer o mundo, por isso contactou a Wish of a Lifetime, o desejo do Tom é muito simples, ele gosta de conhecer novas culturas e pessoas, pede que quem possa lhe envie um postal, ele acha, eu concordo, que ao receber os postais com paisagens/cidades visita-os no seu coração e na sua mente.
Não custa mesmo nada dar uma alegria a este senhor, quem possa envie mais que um, fale da cultura, das pessoas, vamos ajudar este senhor a ter uns últimos dias mais felizes.

Os postais devem ser endereçados da seguinte forma:

Wish of a Lifetime

Attn: Tom Burgett

1821 Blake St. Suite 200

Denver, CO 80202

 

Quem estiver interessado visite o site da Wish of a Lifetime, uma instituição de caridade vocacionada para proporcionar sonhos de uma vida aos cidadãos séniores, vale a pena espreitar 😉

Tall Ship Races 2012

2012 07 20 20 09 08

 

As filas para visitar a Sagres, que é de longe o navio mais bonito e bem cuidado de todo o conjunto, demoram horas, mas mesmo assim dei por bem empregue o meu tempo.  

2012 07 20 19 33 31

  O Creoula estacionado a seu lado parece um anãozinho pequenino perto do gigante Sagres.

 

2012 07 20 18 57 30

  No Sagres, a tripulação também come melhor que no Creoula, da cozinha vinha um cheiro formidável, que vim a saber ser de um Arroz à Valênciana, enquanto no Creoula a cozinha cheirava a cantina, coitados….

 

2012 07 20 20 40 26

Triste sina tem o Mir, um navio Russo, que foi transformado em loja de souveniers e até tem uma caixa de donativos à saída. Está ferrugento, com fios eléctricos à solta, mas por fora é bonito e imponente.

 

Fiquei com pena de não ter visitado o Lord Nelson, mas tem uma hora muito curtinha de visita diária, os navios polacos também já estavam fechados mas fiquei com vontade de os visitar.

2012 07 20 21 08 38

A boa noticia veio do Bark Europa que permite que nos inscrevamos, e presumo que paguemos bem, para viajar nele, como marinheiros atenção, para destinos como a Antárctica, no próximo ano Austrália e Nova Zelândia ou até fazer a próxima Tall Ships Race.

No próximo domingo zarpam para novos destinos mas quem quiser vê-los desfilar no Tejo pode fazê-lo entre as 14 e as 15.

As viagens da Pikitim

Aconselho-vos vivamente a ler o texto que se segue, espero que um dia quando tiver filhos lhes possa oferecer esta fantástica prenda que o Filipe Morato Gomes e a Luisa Pinto estão a oferecer à sua filhota, a bagagem cultural, a abertura de espirito,  que esta criança vai trazer para casa é o melhor presente que estes pais lhe podiam ter oferecido.

“Ontem foi Dia Mundial da Criança e o Diário da Pikitim assinala a data com uma crónica diferente do habitual. A propósito do dia que recorda o direito das crianças serem crianças, fazemos uma espécie de balanço com pupilas de pais que observam a evolução da sua filha numa vida em movimento constante pelas estradas deste mundo. Um texto – mais que todos os outros – dedicado à criança tão especial que nos acompanha na pele de nómadas dos tempos modernos.

É um ano diferente, este. Especialmente para a Pikitim. O seu Jardim-Escola está longe, apesar de ela acompanhar os conteúdos leccionados à sua turma fazendo uma ficha de trabalho todos os dias úteis. É assim, aliás, que vai sabendo em que dia da semana está. “Hoje é sábado, mãe? Então não preciso de trabalhar”, relembra, semanalmente. De segunda a sexta, abastece-se de todo esse indispensável conhecimento “curricular” que a acompanhará vida fora. Mas em todos os sete dias da semana, outras não menos importantes aprendizagens lhe são proporcionadas pelas experiências vividas nesta viagem, ela própria uma “escola de mundo e de vida”, nas palavras do diretor do Jardim-Escola da Pikitim. E isso é coisa que já se nota nas atitudes da petiza.

Nestes primeiros meses de volta ao mundo, e de contacto intenso e ininterrupto entre pais e filha, nota-se que a Pikitim cresceu. Muito. Não só fisicamente, como é normal da idade, mas também ao nível da maturidade afetiva e do conhecimento do mundo e da vida. A viagem está a fazer-lhe bem. Claramente. A abrir-lhe horizontes para um futuro risonho e sem preconceitos.

Desde que partimos, a Pikitim já viu gente de diversas raças, muitos países e paisagens, várias línguas, diferentes graus de conforto, a pobreza e a riqueza, a dureza do trabalho (ela deixou-se sensibilizar, por exemplo, pela árdua labuta nos arrozais de Bali). Já vivenciou alguma multiplicidade cultural e conviveu com a diversidade religiosa. Experimentou comer com pauzinhos e com as mãos, adorou pintar e vestir sarongs, aprendeu a descalçar-se para entrar em casas ou templos e até a respeitar um longo dia de silêncio imposto pelo calendário balinês. Com a mesma naturalidade de quem está a brincar com as suas Polly Pocket, a jogar às cartas ou a fazer um desenho para enviar para as avós, os amigos ou os professores e colegas do Jardim-Escola.

Esta viagem tem tido, pois, momentos irrepetíveis, protagonizados pela curiosidade, ingenuidade e imaginação que só uma criança consegue ter. Um teleférico é facilmente visto como um pé de feijão gigante e uma torre de telecomunicações pode ser, afinal, a casa onde vive Rapunzel. Da mesma forma que os milhares de peixes coloridos encontrados nos mares asiáticos perdem todo o protagonismo para um único peixe-palhaço, por causa deNemo. E assim o mundo real se adapta ao universo da fantasia infantil.

Estamos certos que, se fosse pedido à Pikitim para fazer um pequeno balanço do que têm sido os primeiros meses desta viagem, ela diria que a experiência tem sido “maravilhosa”. É uma palavra que emprega com alguma facilidade desde que iniciámos a viagem. Porque anda feliz.

Sabe reconhecer “lugares incríveis” como os que encontrou no arquipélago Bacuit, nas Filipinas, e apreciar as brincadeiras proporcionadas por duas visitas ao Museu Pambata, na capital Manila. E guarda a ilha tailandesa de Koh Muk no coração, como um dos seus lugares preferidos porque, apesar de estar meio adoentada, foi onde conheceu Lincoln, um menino britânico-tailandês de três anos, a sua primeira grande amizade na estrada.

Pela mesma razão – a de ter amigos por perto -, a Pikitim não tem dúvidas em afirmar que o seu lugar preferido foi Langkawi. Porque partilhou quase todos os momentos na ilha malaia com a portuguesa Margarida, sensivelmente da sua idade, de quem se tornou amiga inseparável. Ao rol de amigos que fez nesta viagem, deve ainda juntar-se a holandesa Astrid, de cinquenta e muitos anos, que conheceu na ilha de Palawan e adotou como mãe, amiga, irmã – nunca saberemos! -, e os irmãos Latif e Najwa, com quem correu atrás de cabras e galinhas numa aldeia perto de Borobudur, na ilha indonésia de Java.

Com a Margarida foi fácil brincar; com os outros, havia a barreira da língua que, aos poucos, procurou ultrapassar. Começou com gestos, depois umas palavras a medo e, por agora, já consegue responder a perguntas básicas em inglês. E é lindo ver tudo isso acontecer tão rapidamente. Fazer com que ela aprenda a falar algumas palavras na língua local – olá, obrigado – tem sido uma das nossas preocupações, e é comum encontrá-la a falar sozinha (perdão, com os seus bonecos e os seus botões!) numa língua imaginária, onde se percebem algumas palavras em inglês, malaio ou tailandês.

E para nós, pais, como tem sido a experiência? Tem sido fantástico ver o mundo pelos olhos de uma criança e aprender com ela. Porque é a sua curiosidade infantil que, muitas vezes, nos obriga a procurar respostas. Porque está sempre a surpreender-nos com a sua perspicácia, com a sua atenção, com a sua sede de saber. E porque tem sido gratificante voltarmos a ser crianças para participar nas brincadeiras que ela inventa e entrar num mundo de faz-de-conta cada vez mais elaborado.

No entanto, apesar de tudo estar a ser “maravilhoso”, não há dúvida que falta algo à Pikitim. Para ter um Dia Mundial da Criança perfeito, a culminar os meses fantásticos que temos passado em conjunto, faltou que se abeirasse de nós um pequeno autocarro com os seus principais tesouros: os seus amigos. É quase sempre dos amigos de Portugal que ela se lembra quando encontra algo que a entusiasma ou conhece um sítio que a surpreende. E pensa logo em escrever cartas, mandar postais ou, mais comum, fazer desenhos para partilhar com todos eles. Ela gostaria de ter os amigos por perto – é disso que sente falta. Porque uma criança precisa de outras para ser criança. Ontem e todos os dias.”

in Diário da Pikitim

Entrevista Gonçalo Cadilhe

Excerto:

“Acreditas que as viagens podem ser preponderantes da formação dos indivíduos? Uma pessoa é diferente pelo facto de ter viajado?

RDevia ser, mas tem que estar predisposto para a mudança, para o enriquecimento. Se sair de casa com certezas, dogmas e preconceitos cimentados, não há viagem que consiga formar ninguém. Da mesma forma, se estás predisposto para a mudança podes nunca sair de casa e conseguir essa formação, que eu chamaria cidadania, de uma forma completamente sedentária. Através da leitura, da educação musical, da participação em um projecto solidário, etc… Se olhares para o panorama actual das viagens, tornou-se tão fácil viajar, que já ninguém sente que está a passar por uma experiência radical, exclusiva, de crescimento e formação. É tudo imediato, fácil, e de consumo massificado. Até a Mongólia já entrou no circuito do turista de Agosto.”

Podem ler a entrevista integral aqui.