A origem do “Fino”

Via Penedo da Saudade.

“Nicolau da Costa conta-nos que era amigo de copos de um refinado boémio, de seu nome Toninho Saraiva, “Toninho Copi” para os amigos, tipo sombra magrinha, bem penteadinha que vagueava por Coimbra naquela época.

 Pois bem, o Toninho Saraiva, tinha-se curado duma tuberculose galopante em poucas semanas e atribuía a sua cura milagrosa à cerveja, da qual era apreciador esmerado, coisa que médicos amigos me disseram ser tão provável como as galinhas terem dentes. Mas para o “Toninho Copi” isso era uma verdade absoluta. Sigamos agora em directo o texto de A. Nicolau da Costa*:

    …E talvez fosse por isso que religiosamente, diariamente, como quem se sacramenta, descia as escadas da “Domus”, na Visconde da Luz, para se regalar, profilacticamente, com doses maciças daquele “medicamento”. A essas formidáveis libações, chamava-lhe ele “Os banhos do Toni”… Entenda-se por “Toni” o único dente incisivo de que dispunha a sua devastada dentadura…
    Dessa convivência diária com a cerveja, resultou que o Toninho ficou perito. E ficas a partir de agora ciente de uma verdade incontroversa, caro leitor: Quando hoje te sentas a uma mesa e displicentemente, por hábito, pedes um “fino”, estás, sem o saberes, a seguir as indicações técnicas do Toninho. Sim, senhor! A classificação de “fino” começou quando o Toninho exigia que lhe servissem em copo de vidro fino, como ele apreciava. Exigia-se de início: “Um copo de cerveja de vidro fino!”. Depois pedia-se “Um copo fino”. Hoje generaliza-se e pede-se “Um fino!”.

……………….
*O Livro a que o texto se refere chama-se ” Boémia Coimbrã ( dos anos quarenta)” e é da autoria de A. Nicolau da Costa e editado pela Athena.
 
 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *